Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



HAJA JUSTIÇA!

Domingo, 24.01.10
Em Foros da Amora, Seixal, um homem de 31 anos agrediu violentamente duas menores numa bomba de gasolina, um idoso na rua, roubou um batôm para o cieiro numa farmácia, invadiu uma casa e espancou a proprietária e não satisfeito com hediondos actos, ainda tentou esfaquear um agente da PSP que, mesmo de baixa médica e fora de serviço, tentou deter o indivíduo. Em resultado dessa tentativa de agressão, o agente sacou da sua arma pessoal e disparou dois tiros que atingiram o meliante nos genitais.

Assistido de urgência no Hospital de Santa Maria em Lisboa, o homem acabou por perder os dois testículos.

A investigação do caso está nas mãos da Polícia Judiciária. Agora, todos esperamos que não seja instaurado um processo disciplinar ao agente de autoridade por, única e exclusivamente, ter cumprido o seu dever enquanto profissional e homem na defesa de inocentes.

São homens e mulheres como este que merecem todo o nosso respeito e consideração, pois são eles que, por vezes, em momentos de aflição colocam a sua própria vida em risco na defesa dos seus concidadãos e em troca recebem processos disciplinares e falta de condições de trabalho.

Nos últimos anos, temos assistido a sucessivas alterações das leis penais que, progressivamente, retiram autoridade às forças policiais e protegem sobremaneira os criminosos. A continuarmos neste linha de pensamento, não tardará que os agentes de autoridade sejam punidos por defenderem os cidadãos o os bandidos condecorados por cometerem crimes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Criatura da Noite às 14:48


2 comentários

De T. a 26.01.2010 às 15:58

Curiosidade :) venho aqui toca Mafalda veiga. Olha, até tens razão em tudo, contudo também já vi a versão 2, de os agentes abusarem da sua autoridade.

De Criatura da Noite a 30.01.2010 às 21:02

Mafalda Veiga fica sempre bem em qualquer parte. ;)

Também é verdade aquilo a que te referes. Num mundo perfeito, o ideal seria haver respeito mútuo. Aliás, talvez assim nem precisássemos de forças policiais para manter a ordem pública.

Comentar post