Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A LEI DO 'DEIXA ANDAR'

Domingo, 07.03.10
Após o suicídio de um jovem de 12 anos vítima de sucessivos ataques de bullying numa escola de Mirandela, o tema voltou aos escaparates da comunicação social nacional.

Como se a questão fosse nova, associações de pais, professores e outros elementos da comunidade escolar começam a ponderar uma possível proposta à alteração jurídica da lei de forma a responsabilizar os encarregados de educação pelo mau comportamento dos seus encarregandos. Segundo algumas vozes, essas sanções poderiam ir desde a supressão dos apoios sociais até há responsabilização criminal dos educadores e dos próprios alunos.

Ao olharmos para todo este afã em torno desta questão ficamos com a nítida sensação que o bullying é um fenómeno muito recente o que, por si só, não corresponde inteiramente à verdade. O bullying sempre existiu e se não começarmos a trabalhar seriamente numa educação para a diferença, continuará a existir por tempos imemoriais. Até há bem poucos anos, não tinha direito a uma classificação específica. Enquadrava-se, simplesmente, dentro dos comportamentos ditos normais num meio escolar dito normal. Entre miúdos sempre existiu uma tendência natural para os alunos mais velhos ou mais "perfeitos" (seja lá o que isso signifique...) humilharem ou rebaixarem os mais novos ou mais fragilizados por uma ou outra característica física ou intelectual.

Contudo, só muito recentemente é que começou a existir uma maior consciencialização por parte da comunidade escolar em geral relativamente a esta problemática, preocupação essa que toma maiores dimensões em momentos trágicos como o que se viveu em Mirandela.

Talvez para alguns jovens como o Leandro esta mudança de atitude já peque por tardia, mas para outros "Leandros" espalhados por esse país fora, uma abordagem séria e corajosa deste problema acabe por evitar que um número ainda não determinado de jovens fique marcado psicologicamente para o resto da vida ou, em casos extremos, acabem num cemitério ou no fundo de um rio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Criatura da Noite às 17:00


8 comentários

De Caravaggio a 08.03.2010 às 13:57

Não vou comentar o teu texto, mas Criatura da Noite é um nome delicioso. Parabéns.

De Criatura da Noite a 14.03.2010 às 10:51

Como diriam os nossos "amigos" brasileiros: "Muito agradecida, né?" Pronto, na verdade é estranho encontrar uma Criatura da Noite que escreve umas coisitas durante o dia, mas de entre tantas coisas estranhas neste mundo é apenas mais uma a somar à lista.

De Caravaggio a 14.03.2010 às 18:29

Do Verde já gosto. Eu não gosto de bitaitar de coisas que desconheço, mas sobre este infeliz e trágico caso deste menino, ainda há muita coisa por esclarecer. Como é que um grupo de rapazes e raparigas não conseguem evitar que corra dum pontão onde já tinha ameaçado deitar-se ao rio, deixá-lo correr mais de 500 mts ., tirar a roupa deitar-se ao rio e só depois é que fazem a tentativa de o tirarem da água !!! Onde estavam os "amigos" neste trajecto todo , onde estavam quando o menino estava a tirar a roupa? Posso estar a ser muito injusto, mas que há factos que não se entendem, isso há.

De Criatura da Noite a 20.03.2010 às 18:04

Então, os 'amigos' deviam estar a incentivá-lo para se atirar ao rio. Não é esse o papel dos 'amigos'?

De Caravaggio a 20.03.2010 às 18:11

Eu já atirei vários

De Criatura da Noite a 21.03.2010 às 15:01

Por vezes, é o que dá vontade de fazer a certas pessoas que passam pela nossa vida...

De Caravaggio a 21.03.2010 às 16:13

Nunca deixas para manhã o que podes fazer hoje. Faz, faz,faz e depois diz-me alguma coisa

Comentar post