Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"POR DETRÁS DO VÉU"

Quarta-feira, 28.07.10
Mais do que um livro, "Por Detrás do Véu" é um relato impressionante do modo de vida de um povo que em pleno século XXI vive, ou melhor, sobrevive segundo os usos e costumes da Idade Média.

Lydia Laube é uma enfermeira australiana que em dado momento da sua vida decide ir trabalhar para o Hospital Rei Fahid em Medina, Arábia Saudita. Durante um ano, Laube assistiu e vivenciou de perto experiências que pensava existirem apenas nos livros de História.

Com uma população a rondar os 14 milhões de habitantes, a Arábia Saudita orgulha-se de ter uma das mais baixas taxas de criminalidade do mundo. E, de facto, não é de admirar. Sendo um país onde não existe a separação de poderes entre Estado e religião e onde impera a sharia (lei divina) e as leis dos beduínos (leis tribais), não será de admirar que crimes como o roubo, o adultério ou o homicídio sejam tão barbaramente punidos com a amputação da mão direita, a lapidação ou a decapitação com uma espada, respectivamente.

Mais chocante ainda é tomarmos conhecimento que 80% das pessoas que trabalham em áreas como a saúde, educação, construção civil e trabalho doméstico são estrangeiros e ao invés de serem tratados com respeito e consideração porque contribuem de uma forma inequívoca para o desenvolvimento do país, são explorados, marginalizados e humilhados de variadíssimas formas, sobretudo, quando se tratam de trabalhadores não-muçulmanos.

De facto, o dinheiro do petróleo compra quase tudo. Contudo, o dinheiro jamais comprará dignidade, inteligência e sensatez tão necessárias para retirar aquele povo da mediocridade e do mediavalismo arcaico em que vivem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Criatura da Noite às 17:38


6 comentários

De Caravaggio a 03.08.2010 às 02:01

Ó Patrícia , és sempre a mesma coisa, das um espirro e não assoas o nariz.

De Criatura da Noite a 28.08.2010 às 21:29

Já viste o tempo que perdemos ao assoarmo-nos? É isso e pensar/reflectir.

De Caravaggio a 29.08.2010 às 01:08

Eu não demoro muito tempo. Ponho os dedos no nariz a atiro o ranho pró chão, tipo jogador de futebol.

De Criatura da Noite a 29.08.2010 às 21:50

Credo, outra imagem degradante! Tu hoje não dás uma para a caixa! Que te aconteceu no fim-de-semana?

De Caravaggio a 29.08.2010 às 23:30

Se é achas que é assim tão degradante e, nunca viste milhares de vezes darem relevo a isso na tv . PORQUE É QUE RESPONDESTE?

De Criatura da Noite a 18.09.2010 às 19:28

Esse tipo de imagem não é propriamente muito simpática, mas já se tem visto jogadores a cuspirem para o relvado e as câmaras a focarem a cena.

Comentar post